O Barquinho Cultural

O Barquinho Cultural
Agora, o Blog por Bloga e O Barquinho Cultural são parceiros. Compartilhamento de conteúdos, colaboração mútua, dicas e trocas de figurinhas serão as vantagens
dessa sintonia. Ganham todos: criadores, leitores/ouvintes, nós e vocês. É só clicar no barquinho aí em cima que te levamos para uma viagem para o mundo cultural

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Eu quero a esperança de óculos


A lembrança mais remota que tenho de Zé Rodrix, que se foi hoje para o destino que não nos é dado saber, é do lançamento da música Soy latinoamericano, por volta de 1975, 76, creio.

Meu pai ainda tinha a papelaria e discoteca no bairro do Ipiranga, na zona sul de São Paulo, e achei muito engraçada aquela letra, a voz aguda daquele cara de bigodão e óculos que eu botava no círculo dos cantores-humoristas, ou melhor, dos que tinham letras bem-humoradas.

Teve depois Quando Será, igualmente de forma humorada para abordar temas sérios. Mal sabia eu na época a história do cara, que vim a saber depois, da parceria com Luiz Carlos Sá e Gutemberg Guarabyra, do Momento Quatro dos festivais, do Som Imaginário, da canção que Elis eternizou (Casa no Campo) e mais tarde com os punks do Joelho de Porco.

E também os jingles - alguns a gente identificava, outros nem imaginava. Sempre o achei um bom sujeito, um músico de respeito e de talento. Fico chateado com sua morte, sinal de que os meus ídolos começam a ir embora. Isso é muito chato de pensar.


Postar um comentário